Economia: Brasileiro já pagou R$ 800 Bilhões em impostos em 2015, o valor foi alcançado nove dias antes do que em 2014.

Valor é alcançado 9 dias antes do que em 2014, indicando aumento na carga tributária; presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais de SP (Facesp) defende ajuste fiscal sem aumento de impostos
Valor é alcançado 9 dias antes do que em 2014, indicando aumento na carga tributária; presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais de SP (Facesp) defende ajuste fiscal sem aumento de impostos

 

 

O Impostômetro da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) registrou a marca de R$ 800 bilhões na sexta-feira (22/05), às 12h45. Em 2014, o mesmo montante foi alcançado em 31 de maio, indicando aumento na carga tributária brasileira.

 
“Os cidadãos e as empresas estão sobrecarregados com o peso dos impostos, que ainda são mais onerados pela burocracia que eles geram, criando mais controles e representando custos adicionais para todos os contribuintes”, observa Alencar Burti, presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo).

 

 

 

“É preciso dar um basta na política de aumentar tributos sempre que o governo se depara com a necessidade de recursos. As empresas e as famílias não agem dessa maneira. Buscam na racionalização e no corte de gastos o restabelecimento do equilíbrio quando enfrentam aumento de despesas”, defende Burti. “É esse o caminho – o da racionalização – que o governo deve procurar seguir no ajuste fiscal. E não o caminho pautado em aumentar ainda mais os impostos”, finaliza o presidente.

 

 

 

A previsão da ACSP é de que, no fim de 2015, o Impostômetro bata recorde e ultrapasse R$ 2 trilhões. Localizado no prédio da Associação, no centro da capital paulista – uma das regiões mais movimentadas da cidade -, o Impostômetro tem o objetivo de conscientizar e alertar a população sobre o alto valor que ela paga em impostos, taxas e contribuições.

 

 

 

Nova metodologia

 

 
A comparação entre as datas das marcas dos R$ 800 bilhões em 2015 e em 2014 contempla a mudança da metodologia do Impostômetro. Em outras palavras, isso significa dizer que, se a nova metodologia já estivesse vigorando no ano passado, o valor de R$ 800 bilhões teria sido atingido em 31 de maio.

 

 

 
Em 16 de maio de 2015, o Impostômetro alterou a forma de medição da carga tributária, em função da mudança na metodologia do cálculo do PIB, implementada pelo IBGE em março desse ano. Com isso, os valores exibidos pelo painel passaram a considerar novos dados de arrecadação de Imposto de Renda Retido dos funcionários públicos estaduais e municipais e novas taxas e contribuições federais determinadas pela Lei nº 13.080/2015 (arrecadações de entidades e fundos como contribuições para o Sistema S, FNDE, INCRA, DPC, APEX-BR e ABDI). Também foram incluídas arrecadações de municípios que não estavam sendo informadas à Secretaria do Tesouro Nacional.
 

 

 
Da Redação com informações provenientes de Renato Santana de Jesus – Assessoria de Imprensa ACSP/Facesp