Amazonas e Roraima começam o período de vacinação contra a febre aftosa

Ministério da Agricultura
Ministério da Agricultura

A vacinação contra a febre aftosa começou nessa quarta-feira (1°) em 41 municípios nas áreas sob influência do Rio Amazonas e Solimões, nos estados do Amazonas e Roraima. A primeira etapa da campanha, que é conduzida pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e pelos serviços veterinários estaduais, dá início ao calendário de vacinação de 2015. Estima-se que serão imunizados 170 milhões de animais neste ano em todo o país.

A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente, na boca e nos pés de animais de casco fendido, como bovinos, búfalos, caprinos, ovinos e suínos.

A principal consequência da detecção de casos de febre aftosa é comercial. A doença afeta o comércio interno e externo de animais e produtos derivados. Devido ao alto poder de difusão do vírus e os impactos econômicos provocados pela doença, os países estabelecem barreiras à entrada de animais susceptíveis e seus produtos de regiões com ocorrência da febre aftosa. “Tais barreiras têm efeitos negativos sobre a pecuária e toda a economia do país, com graves consequências sociais”, aponta o coordenador da Campanha de Vacinação contra a Febre Aftosa do Mapa, Plínio Lopes.

Proprietários devem vacinar rebanho

A aquisição e aplicação da vacina contra a febre aftosa é de responsabilidade dos proprietários dos animais. Cabe ao serviço veterinário oficial fiscalizar a produção, distribuição e comércio das vacinas, para garantir a qualidade do produto, bem como inspecionar, controlar e orientar as atividades de vacinação.

Depois de vacinar o rebanho, os criadores devem apresentar o quantitativo de animais vacinados, por faixa etária, e a nota fiscal da vacina nos escritórios do serviço veterinário oficial, para comprovar a imunização do rebanho. O produtor deve ficar atento ao calendário de vacinação de seu estado. Os serviços veterinários estaduais têm o prazo de 30 dias, após finalizada a vacinação, para encaminhar ao Mapa o relatório das atividades da campanha de vacinação contra a doença.

Vacinação correta

Para vacinar o gado corretamente, o produtor deve, em primeiro lugar, comprar as vacinas somente em lojas autorizadas. É importante observar se o produto está devidamente conservado na temperatura ideal, entre 2º C e 8º C. É recomendado colocá-la em uma caixa térmica, com três partes de gelo para cada vacina, até sua aplicação.

Durante a vacinação, o produtor deve manter também a seringa na caixa térmica e usar agulhas novas, adequadas e limpas. Para vacinar, é preciso agitar o frasco e aplicar a dosagem de 5 ml para cada animal. A vacinação deve ser realizada, de preferência, na hora mais fresca do dia, em ambiente tranquilo.

Informações MAPA