Internacional: Programa de vigilância da NSA denunciado por Edward Snowden foi cancelado pelo Senado norte-americano, pelo menos até terça-feira.

Agência Nacional de Segurança
Agência Nacional de Segurança

 

 

O Senado Americano não chegou a um consenso sobre a possível prorrogação temporária do programa de vigilância da Agência Nacional de Segurança (NSA), que é parte da chamada lei Patriota, que foi alvo de denuncias de Edward Snowden, e assim o programa foi teoricamente suspenso.

 
Mas esta não é uma derrota definitiva da Casa Branca, e poderá ser revertido pelo próprio Senado Americano durante um voto que poderá acontecer até terça-feira, depois de terem aprovado a nova lei antiterrorista, por 77-17 votos, batizada agora “Lei da Liberdade”.

 

 

 

O páragrafo 215 da Lei Patriota permitia ao governo norte-americano interceptar ligações telefônicas de cidadãos com a desculpa de previnir possíveis atos terroristas e era duramente criticada pela opinião pública e pelo senador republicano Rand Paul.

 

 

 

“O ponto é que ainda podemos pegar terroristas que usam a Constituição”, disse ele. “Sou favorável à parte que termina coleta a granel pelo governo. Minha preocupação é que podemos estar trocando a coleta granel do governo pela coleta a granel das empresas de telefonia”, disse Rand Paul.

 

 

 

 
A Câmara dos Comuns tinha aprovado, há alguns dias, a reforma da legislação antiterrorista, que prevê a continuação do programa da NSA mas mediante a autorização dos tribunais.

 

 

 

O Diretor da CIA John Brennan, disse neste domingo que os programas que expiraram são “integralmente para garantir que somos capazes de deter os terroristas em suas trilhas.”

 

 

 

“Eu acho que houve um pouco de arrogância política e a cruzada por causas ideológicas podem ter influenciado o debate sobre esta questão”, disse ele em CBS “Face the Nation”. “Mas estas ferramentas são importantes para vidas americanas.”

 

 

 

A Casa Branca criticou esta noite o comportamento do Senado como “irresponsável”, apelando a um acordo para pôr fim ao cancelamento do programa da NSA, que expirou à meia-noite, hora local.

 

 

 
Através do secretário de imprensa Josh Earnest, a Casa Branca emitiu um comunicado apelando aos a senadores para “garantir que este lapso irresponsável das autoridades seja o mais curto quanto possível.”

 

 

 

“Por ser uma questão tão crítica como a nossa segurança nacional, os senadores devem individualmente por de lado as suas motivações partidárias e agir rapidamente”, disse ele. “O povo americano não merecem nada menos.”

 

 

 

 

Presidente da Câmara, John A. Boehner disse que a “Al-Qaeda, o Estado Islâmico (ISIL) e outros terroristas ao redor do mundo continuam a tramar ataques contra a América e nossos aliados”, e completou que . “Qualquer um que está satisfeito em deixar esta capacidade de inteligência no escuro, não está levando a sério a ameaça terrorista. Eu peço ao Senado que aprove a Lei de Liberdade o mais rápido possível.

 

 

 

 

 

Da Redação com informações provenientes de Agências Internacionais