Internacional: O terrorista Djokhar Tsarnaev é condenado à pena de morte pelo atentado na maratona de Boston.

 Djokhar Tsarnaev foi condenado por ter realizado, junto com seu irmão Tamerlan, o atentado na maratona de Boston. /Rex_BOSTON_2302721E//1304201609
Djokhar Tsarnaev foi condenado por ter realizado, junto com seu irmão Tamerlan, o atentado na maratona de Boston.

 

Djokhar Tsarnaev foi condenado à morte nesta sexta-feira (15). Após deliberar durante 14 horas, o júri popular, que tinha que escolher entre a prisão perpétua e a pena capital, foi unânime na decisão. O jovem de 21 anos foi o responsável, junto com seu irmão, pelo atentado na maratona de Boston que deixou três mortos e 264 feridos em 15 de abril de 2013. O episódio ficou conhecido como um dos mais violentos ataques terroristas da história dos Estados Unidos após o 11 de setembro de 2001.

 

Dois anos após o atentado de Boston, Djokhar Tsarnaev, jovem muçulmano de origem chechena naturalizado americano, foi condenado à morte pela autoria das explosões de duas bombas artesanais perto da linha de chegada da maratona de Boston. O crime foi cometido junto com o irmão Tamerlan, de 26 anos, morto durante a fuga após o ataque.

 

 

 

Das 30 acusações contra Djokhar, 17 eram ligadas à crimes sujeitos à pena de morte. O réu já havia reconhecido sua culpa na audiência de 8 de abril e, ao ter sua sentença anunciada nesta sexta-feira, não demonstrou nenhuma reação.

 

 

 

O Estado do Massachusetts, onde foi julgado, aboliu a pena de morte em 1984. Mas como o crime entra na categoria de ato grave de terrorismo, o processo cabe à autoridades federais. A ministra norte-americana da Justiça Loretta Lynch declarou que a pena foi uma “punição adequada” para o réu.

 

 

 

Os jurados teriam escolhido a pena capital pois consideraram que Tsarnaev não demonstrou nenhum remorso.

 

 

 

Lobos solitários

 

 

 

A defesa tentou, durante todo o processo, alegar que Djokhar havia sido influenciado pelo irmão. Os advogados também ressaltaram o passado instável do jovem, nascido no Quirguistão e que passou uma parte da infância no Daguestão, terra natal de sua mãe, antes de chegar aos Estados Unidos, aos 8 anos.

 

 

Já a acusação afirmou que os irmãos Tsarnaev agiram sozinhos, como “lobos solitários radicalizados”, e lembrou a mensagem deixada por Djokhar na parede do barco onde se escondeu durante a perseguição policial após o atentado. “O governo americano mata civis inocentes. […] Nós, muçulmanos, somos um só corpo. Quando vocês fazem mal a um de nós, fazem mal a todos os muçulmanos. […] Parem de matar inocentes e nós vamos parar também”, escreveu o jovem.

 

 

Terroristas aprenderam a fazer bombas na internet

 

 

 

No momento dos atentados Djokhar estudava na Universidade de Massachusetts, em Dartmouth, ao sul de Boston. Seus pais haviam deixado o território norte-americano desde 2012 e moravam na Rússia, país onde seu irmão também viveu e se radicalizou.

 

 

Segundo a acusação, o réu levada uma vida dupla. Se na universidade e nas redes sociais não fazia nenhuma alusão às suas convicções religiosas, em casa frequentava sites extremistas e assistia com o irmão preces do radical islâmico Anwar Al-Aulaqi, membro da Al Qaeda morto em setembro de 2011 por um drone norte-americano. Também foi via internet que Djokhar e Tamerlan aprenderam a fazer as bombas, em uma revista online da Al Qaeda.

 

 

 
Da Redação com informações de Agências Internacionais e da RFI