Internacional: Ministro da Defesa da Coreia do Norte é executado por dormir em um desfile militar em frente ao ditador Kim Jong-Un.

O ministro norte-coreano da Defesa, Hyon Yong Chol, ocupava o cargo há menos de um ano. REUTERS/Sergei Karpukhin/Files
O ministro norte-coreano da Defesa, Hyon Yong Chol, ocupava o cargo há menos de um ano.
REUTERS/Sergei Karpukhin/Files

 

 

O ministro da Defesa da Coreia do Norte, Hyon Yong-Chol, foi executado por ter dormido em um desfile militar em frente ao ditador Kim Jong-Un. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (13) pela Serviço Nacional de Inteligência da Coreia do Sul.

 

Centenas de oficiais assistiram ao assassinato, que ocorreu no dia 30 de abril em uma academia militar. O ministro apareceu em público pela última vez dois dias antes da execução.

 

 

 

Além de dormir em ato militares, por várias vezes o ministro teria respondido ao ditador de forma considerada “inadequada”. Ele também foi acusado de traição.

 

 

 

Hyon Yong-Chol, que ocupava o cargo há menos de um ano, seria um dos militares mais próximos ao ditador e era responsável pelas pelas relações com o exterior. Kim Jong-Un cancelou uma viagem prevista à Moscou na semana passada alegando “problemas internos”. O ministro da Defesa tinha viajado para Rússia em abril para preparar a visita do ditador ao desfile militar em comemoração à vitória sobre os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

 

 

 

O caso é mais uma demonstracão de que a pena de morte no país atinge também funcionários de alto escalão. Em 2013, Kim mandou executar, por traição, o próprio tio Jang Song-Thaek, que foi seu padrinho político.

 

 

Da Redação com informações de Agências Internacionais e da RFI