Tênis de mesa: Brasil obtém melhor resultado da história no Circuito Mundial Paraolímpico

Seleção conquistou quatro medalhas nesta quinta-feira no Aberto de Lignano, na Itália
Seleção conquistou quatro medalhas nesta quinta-feira no Aberto de Lignano, na Itália

 

A Seleção Brasileira paraolímpica de tênis de mesa fez história no Aberto de Lignano, na Itália, nesta quinta-feira (19.03), ao conquistar três medalhas de prata e uma de bronze nos torneios individuais. É o melhor resultado do Brasil em torneios fator 40, com a mais alta dificuldade do Circuito Mundial.

 

 

Danielle Rauen (9ª no ranking mundial), chegou à final pela classe 9. Ela disputou o ouro após uma consistente vitória por 3 a 0 sobre a russa Olga Komleva (4ª) na semifinal, motivo de orgulho para toda a equipe. Na decisão diante da turca Neslihan Kavas, derrota por 3 a 0 – mas o que ficou foi o sentimento de dever cumprido e o desejo de crescer ainda mais.

 

 

 

“Acredito que foi uma grande experiência e por ser o primeiro campeonato do ano todos entramos muito firmes, com coragem. Estamos no caminho certo, a principal razão dos resultados foi acreditar sempre”, resumiu Danielle.

 

 

Jennyfer Parinos foi superada pela campeã Kavas na outra semifinal e ficou com o bronze. “Estou muito feliz, o bronze mostrou que estou no caminho certo para os Jogos Paraolímpicos de 2016”, disse.

 

 

 

Pela classe 2, Iranildo Espíndola (16º no ranking mundial) venceu o sérvio Martin Ludrovsky (9º) na semifinal por 3 a 2 mas acabou derrotado na decisão pelo coreano Min-Gyu Kim, líder do ranking, por 3 a 0.

 

 

 

“Ganhar uma medalha numa competição fator 40 desse nível pra mim foi muito importante na preparação para as Paraolimpíadas de 2016, no Brasil. É um estímulo para treinar forte até chegar lá”, disse Espíndola.

 

 

 

Na classe 4, Joyce Oliveira (9ª no ranking mundial) não escondeu a satisfação após conquistar a medalha de prata, perdendo apenas para Borislava Peric-Rankovic, número 1 do mundo, da Sérvia, na decisão.

 

 

 

“Eu não imaginava chegar à final. Foi muito importante para eu ver que tudo que eu estou fazendo, morando em Brasília (para treinar com a seleção), treinando muito, está valendo a pena”, destacou Joyce, que venceu outra sérvia, Nada Matic (4ª) por 3 a 2 na fase de grupos e a tailandesa Wijittra Jaion (7ª) na semifinal.

 

 

Para o coordenador técnico das seleções paraolímpicas e técnicos da seleção andante, José Ricardo Rizzone, o resultado até agora na Itália é espetacular.

 

 

 

“O saldo é fantástico, excelente, conseguimos colocar três atletas em finais. Isso mostra uma grande evolução de todos nós, tanto andantes como cadeirantes. Aos poucos vamos alcançando os resultados”.

 

 

 

A competição prossegue até sábado (21.03), com as disputas por equipes.

 

 
Da Redação com informações da  CBTM