Circuito Mundial de Vôlei de Praia 2015 – Grand Slam de Moscou: Brasileiros se enfrentarão na Semifinal e já garantem medalha em Moscou

Circuito Mundial de Vôlei de Praia 2015 - Grand Slam de Moscou: Brasileiros se enfrentarão na Semifinal e já garantem medalha em Moscou
Circuito Mundial de Vôlei de Praia 2015 – Grand Slam de Moscou: Brasileiros se enfrentarão na Semifinal e já garantem medalha em Moscou

 

 

 

As duplas brasileiras que entraram em quadra na manhã deste sábado (30.05), pelas quartas de final do torneio masculino do Grand Slam de Moscou, na Rússia, protagonizaram um verdadeiro espetáculo de vôlei de praia. Pedro Solberg e Evandro (RJ) venceram Ricardo e Emanuel (BA/PR) por 2 sets a 1 (21/17, 17/21, 21/19) em um jogo eletrizante e se garantiram na semifinal da competição.

 

 

No outro lado da chave masculina, Alison e Bruno Schmidt (ES/DF) não tomaram conhecimento da dupla holandesa Alexander Brouwer e Robert Meeuwsen e também garantiram vaga entre os quatro melhores. Agora, os dois times brasileiros se enfrentam às 14h35, no horário de Brasília, para decidir quem passará à disputa do título do primeiro grande evento do Circuito Mundial em 2015. O duelo terá transmissão AO VIVO do canal SporTV 3.

 

 

 

 

O encontro mais importante até aqui entre equipes brasileiras no Grand Slam de Moscou, colocou frente a frente os experientes campeões olímpicos Ricardo e Emanuel (BA/PR) contra Pedro Solberg e Evandro (RJ), uma das duplas que apresentaram maior evolução na última temporada. Os times começaram a partida com a proposta de acelerar o jogo, e os cariocas levaram ligeira vantagem, em 9/5. Com o saque qualificado de Emanuel e a presença de Ricardo na rede, o time comandado pela técnica Letícia Pessoa encostou no placar, mas Pedro e Evandro voltaram a se distanciar, com Evandro soltando o braço e anotando 19/15. Pedro Solberg, com um bloqueio, fechou a parcial em 21/17.

 

 

 

 

 

Ricardo e Emanuel voltaram melhores para o segundo set, e com paciência abriram 8/4. Nessa altura do jogo, a entrega de ambas as duplas na partida, com belos rallys, levantou a torcida russa que compareceu a arena em Moscou. Ricardo e Emanuel mantiveram o bom momento, até o paranaense marcar 21/17 e levar a decisão para o set desempate. Como se tratava de uma disputa entre brasileiros, onde não há favoritismo, o jogo seria decidido nos detalhes.

 

 

 

 

Com Evandro dificultando a recepção de Ricardo e Emanuel, os cariocas abriram 7/4, mas os experientes jogadores viraram o set para 9/7. Com Evandro sacando muito bem, a partida voltou à igualdade, com 12/12. Na troca de bola mais longa do jogo, Ricardo e Emanuel abriram 13/12, para delírio dos torcedores. Com moral, a dupla chegou a cinco match points, mas todos foram salvos por Pedro e Evandro. Com 17/17, Evandro quebrou a recepção de Emanuel para chegar ao primeiro ponto do jogo, que acabou desperdiçado. A igualdade se estendeu até 20/19, quando Evandro salvou uma bola de maneira magistral e Pedro, no bloqueio, fechou o tie-break em 21/19, e o jogo em 2 sets a 1.

 

 

 

 

“Depois de estarmos perdendo no tie-break, conseguir virar um jogo como esse, foi demais. Tivemos cabeça para fazer o ‘side out’, buscar ponto a ponto, e decidir na última bola do jogo. Saí como um desesperado atrás da bola, e o lance resultou em um grande bloqueio do Pedro. A gente está bem, fisicamente, mentalmente e taticamente, e nossa força de vontade fez a diferença”, comemorou Evandro.

 

 

 

 

O caminho de Alison e Bruno Schmidt até a semifinal foi menos dificultoso. Vivendo grande momento na competição, onde ainda não conheceram o gosto da derrota, a dupla atropelou o alto time da Holanda no primeiro set, abrindo 4/1 logo nos minutos iniciais. Com Bruno Schmidt muito bem no saque e nas subidas ao ataque, a diferença subiu para sete pontos, em 12/5, e mais tarde em 17/10. Sem dificuldades, a parceria chegou ao set point, e fechou a parcial em 21/14, com Bruno Schmidt explorando o bloqueio adversário.

 

 

 

No segundo set, Alison se impôs na rede e o time brasileiro deu outro passeio, abrindo 9/3. Nesse momento do jogo, a dupla holandesa tentou entrar na partida, mas foi frustrada pela grande atuação verde e amarela. Muito seguros, Alison e Bruno Schmidt abriram 20/14, fechando o set em 21/14 e o jogo em 2 a 0.

 

 

 

 

“Antes de qualquer estratégia precisamos fazer o nosso bem feito, e a gente ficou muito concentrado nos nossos fundamentos. É um time campeão do mundo, com atletas de mais de 2 m de altura, e o Bruno sacou muito bem, trouxe eles para o meu bloqueio, e isso assustou os holandeses. É uma pena o Brasil não poder chegar com três times na semifinal, mas são coisas do campeonato. O importante é que o país vença, mas vamos fazer o nosso melhor”, apontou Alison.

 

 

 

 

Em 2015, o calendário do Circuito Mundial prevê cinco Grand Slams, três Major Series, dez Opens, o Campeonato Mundial e o World Tour Finals, que reunirá apenas os oito melhores times da temporada de cada gênero. Cada torneio possui pontuação e premiação distintas, mas serão distribuídos ao todo mais de 9,6 milhões de dólares.

 

 

 

 

Moscou já foi sede de nove etapas do Circuito Mundial e, desde 2008, recebe um Grand Slam por temporada. O Brasil lidera o quadro de medalhas na Rússia, que também já contou ao longo dos anos com etapas em São Petersburgo e Anapa. São 15 medalhas entre os homens (seis de ouro, quatro de prata e cinco bronzes) e 14 entre as mulheres (cinco de ouro, cinco de prata e quatro de bronze).

 

 

 

 

Os times vencedores da etapa de Moscou nos dois gêneros somam 800 pontos no ranking do Circuito Mundial e garantem um prêmio de 57 mil dólares. São 400 mil dólares distribuídos aos atletas em cada um dos naipes. Logo após Moscou, ocorre o Major Series de Porec, na Croácia, de 2 a 6 de junho.

 

 

 

Da Redação com informações provenientes da CBV