Campeonato Paulista 2015 – Paulistão: Governo de São Paulo e a FPF lançam campanha contra o racismo – #spcontraoracismo

 

O governador Geraldo Alckmin durante evento com jogadores e dirigentes dos times de futebol semifinalistas do Campeonato Paulista. Jogadores do Corinthians, Santos, São Paulo e Palmeiras participaram do lançamento da campanha "SP Contra o Racismo", uma parceria do Governo do Estado e Federação Paulista de Futebol. Data: 16/04/2015. Local: São Paulo/SP.  Foto: Edson Lopes Jr/A2Img
O governador Geraldo Alckmin durante evento com jogadores e dirigentes dos times de futebol semifinalistas do Campeonato Paulista. Jogadores do Corinthians, Santos, São Paulo e Palmeiras participaram do lançamento da campanha “SP Contra o Racismo”, uma parceria do Governo do Estado e Federação Paulista de Futebol. Data: 16/04/2015. Local: São Paulo/SP.
Foto: Edson Lopes Jr/A2Img

 

Durante o lançamento da campanha “São Paulo contra o racismo”, realizado na manhã desta quinta-feira (16), entre a Federação Paulista de Futebol e o governo estadual, no Palácio dos Bandeirantes, órgãos públicos e membros da casa do futebol estiveram presentes para explicar o andamento da iniciativa, ao lado de ídolos dos quatro semifinalistas.

 

 

Contente com esta ativação, o ex-lateral corintiano Zé Maria espera que isso facilite a participação da população no combate ao preconceito racial. “Essa campanha é maravilhosa. Eu já faço parte de um grupo de discriminados, que são dos jovens infratores da Fundação Casa e há mais de 50 anos o esporte me deu a possibilidade de hoje estar pleiteando essa campanha. Sem duvidas ela irá facilitar a participação da população no combate ao racismo. Toda campanha é valida, desde que ela tenha objetivo e essa tem contra a discriminação”, afirmou.

 

 

 

Sobre o projeto do governo, “Super” Zé crê que este seja o início de um projeto nacional. “Creio que melhorou muito. Sou de uma época que nós éramos muito mais discriminados. Hoje eles estão em uma vitrine e acho que esse movimento começa a dar muitos passos nesse sentido de acabar com o problema da discriminação. Começando pela grande metrópole que é São Paulo e com o governador por trás do movimento, isso impulsiona e haja uma reflexão dos torcedores e da população”, acrescentou.

 

 

 

Artilheiro da época da Academia de Futebol do Palmeiras, o ex-centroavante Cesar Maluco pregou pela igualdade e respeito entre as pessoas. “Estou vestindo a camisa, acho que a federação, junto com o governador é muito importante para acabar com o racismo. Todos nós somos iguais, a pele é uma só. A maioria dos ídolos do futebol são todos negros, o Brasil é conhecido mundialmente (no futebol), graças a um negro, que é o Pelé. Temos que proibir mesmo, quem comete racismo deve ser preso mesmo, a lei não deve ter perdão, todos somos iguais, ninguém é melhor do que ninguém. O Brasil está precisando desse empurrãozinho e talvez essa iniciativa do governador e da federação deva ser o primeiro pontapé”, afirmou.

 

 

 

Ídolo dos anos 70 pelo Corinthians, o ex-meia Basílio relembrou o caso de racismo com o goleiro Aranha, atualmente no Palmeiras e também de seus tempos como atleta. “O pontapé inicial já foi dado e de uma maneira positiva, ainda mais partindo do governador. Podemos ter certeza que quem for a campo pensará duas vezes antes de xingar um profissional. Eu convivi bom tempo da minha vida profissional com o racismo, mas não havia tanta divulgação. Hoje a coisa se tornou um pouco pior, pois ela acaba atingindo a família desses profissionais. Aquilo que aconteceu com o Aranha (contra o Grêmio, em 2014), foi algo muito chocante, pois vimos o emocional do atleta sair de controle. Imaginemos como deve ter ficado a família do atleta. Felizmente o governador foi bem nessa iniciativa”, alegou.

 

 

 

Autor do gol que tirou o alvinegro da fila de títulos, em 1977, o ex-camisa 8 relembrou de um caso onde foi ofendido em Ribeirão Preto e como foi a sua resposta aos infratores. “Chegou o momento da impunidade, chegou a hora de realmente punir as pessoas que cometem esse tipo de discriminação. As gerações são diferentes. Eu fui xingado de preto, em Ribeirão Preto, contra o Comercial. Nesse jogo eu fiz o gol e fui comemorar perto dos torcedores que estavam me xingando, mas era uma época diferente, pois a forma que nós reagimos era uma espécie de tapa na cara de quem fizesse essa discriminação”, comentou.

 

 

 

Companheiro de Pelé, no Santos, Mengálvio mostrou-se focado na luta contra o racismo. “Isso é algo que sempre temos que fazer, para tentarmos acabar com o racismo. Não é só no Brasil que isso ocorre e sim no mundo todo. Vamos batalhar para combatê-lo, pois é uma agressividade que ocorre”, declarou.

 

 

 

O uruguaio Dario Pereyra também esteve presente na coletiva. O ex-zagueiro são-paulino crê que esta campanha será positiva para o futebol paulista e espera que ela alcance toda a América do Sul. “Não queremos só combater, mas também dar um basta no racismo, pois isso não poderia acontecer. A campanha é muito boa, apoiamos muito e queremos o sucesso. Espero que ela seja expandida para o Brasil e também pela América do Sul”, finalizou.

 

 

 

Vídeos

 

 

A campanha conta com 17 comerciais que serão veiculados na internet e nas redes sociais, com depoimentos dos jogadores de cinco clubes paulistas. Bruno Henrique, Fabio Santos e Gil do Corinthians; Arouca, Cristaldo e Vitor Hugo do Palmeiras; Elano, Ricardo Oliveira e Gabriel do Santos; Rogério Ceni, Paulo Henrique Ganso e Luis Fabiano do São Paulo; e Marcelo Lomba, Ivan Quaresma e Biro Biro da Ponte Preta, entre outros jogadores, convocam a todos nos vídeos a darem um cartão vermelho ao racismo.

 

 

Campanha Corinthians

 

 

Campanha Santos

 

 

Campanha São Paulo

 

 

Campanha Ponte Preta

 

 

Campanha Palmeiras

 

 

 

Da Redação com informações da FPF