Campeonato Carioca 2015: Flamengo vence clássico contra o Vasco por 2 a 1 de baixo de chuva intensa.

O centroavante Alecsandro fez os dois gols da vitória do Flamengo no clássico contra o Vasco  Gilvan de Souza / Flamengo
O centroavante Alecsandro fez os dois gols da vitória do Flamengo no clássico contra o Vasco
Gilvan de Souza / Flamengo

 

 

No dia em que se celebra o Dia Mundial da Água, a água acabou roubando a cena no clássico entre Flamengo e Vasco. Neste domingo (22), ela caiu torrencialmente em forma de chuva, alagou o gramado do Maracanã e, empoçada, até ajudou o rubro-negro, que acabou vencendo o rival por 2 a 1, a abrir o placar. Alecsandro marcou duas vezes e Gilberto fez o gol cruzmaltino. Com o resultado, o Flamengo permanece em terceiro lugar, com 26 pontos, e o Vasco perde a liderança para o Botafogo e despenca três posições, aparecendo agora em quarto lugar, também com 26 pontos, mas atrás do Fla por ter saldo de gols menor.

 

 

Esta foi a primeira derrota do Vasco no estadual, que vinha invicto até então. A equipe de Doriva também não tinha sofrido dois gols em um mesmo jogo nenhuma vez. O Flamengo ampliou sua vantagem em cima do Vasco, com cinco vitórias e quatro empates desde 2012.

 

 

 

Flamengo e Vasco começaram o jogo sedentos pela vitória: nos primeiros minutos, a torcida que abarrotou o Maraca viu um jogo equilibrado, lá e cá, mas com poucas chances reais de gol. Os ataques cercavam as grandes áreas, mas nem Martín Silva, do Vasco, ou Paulo Victor, do Flamengo, precisaram colocar as luvas de molho.

 

 

O banho de chuva, que não dava trégua desde o apito inicial, não esfriou os ânimos do clássico. O clima esquentou e um festival de faltas duras travou o jogo, obrigando o árbitro João Batista de Arruda a distribuir cartões amarelos para coibir a violência dos jogadores.

 

 

Chuva no Maracanã no Clássico entre Flamengo e Vasco
Chuva no Maracanã no Clássico entre Flamengo e Vasco

 

 

E o que era uma chuva insistente transformou-se em um pé d’água torrencial, deixando o gramado do Maracanã impraticável. “O jogo está feio. O gramado está cheio de poças e os jogadores não conseguem carregar a bola e precisam dar chutão”, relatou o repórter da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, Maurício Costa.

 

 

 

Com 17 minutos, o Vasco sofreu na pele os perigos da água parada: o goleiro Martín Silva, em uma falha terrível, tentou rolar a bola para Rodrigo na reposição de bola, mas ela parou em uma poça d’água. Ligado no lance, o centroavante Alecsandro antecipou-se, roubou a bola e fez o primeiro do Flamengo.

 

 

Sem condições de jogo, e em comum acordo com capitães dos times, técnicos e diretor da federação estadual, a arbitragem decidiu suspender a partida aos 22 minutos do primeiro tempo para que o sistema de drenagem do estádio pudesse funcionar. A paralisação durou mais de quarenta minutos.

 

 

 

Depois do dilúvio, assim que o jogo foi retomado, Gilberto deixou o jogo em ponto de ebulição: aos 28, Bernardo cobrou escanteio pela esquerda, Júlio dos Santos escorou e o centroavante, no segundo pau, conferiu de peixinho. Paulo Victor ainda tentou defender, mas acabou entrando no gol com a bola.

 

 

 

A maré virou novamente logo aos 6 minutos da etapa final, com um pênalti a favor do Flamengo: Guiñazu derrubou Marcelo Cirino na grande área e a infração foi corretamente assinalada. Alecsandro, de pé direito, acertou o canto esquerdo de Martín Silva e balançou as redes pela segunda vez, naquele que seria o gol da vitória rubro-negra.

 

 

 

O Vasco até tentou evitar que sua invencibilidade naufragasse, mas as chances foram menos agudas – um chute de fora com Gilberto e algumas cobranças de falta. Doriva mexeu no time, lançando a equipe para frente, mas não deu resultado. Do outro lado, o Fla chegava com Everton, que articulava pelos lados do campo, e Canteros, que saía na cara do gol, mas errava na hora do arremate.

 

 

Aos 36, o tempo fechou: depois de uma falta que parou o contra-ataque vascaíno, uma confusão generalizada resultou na expulsão de quatro jogadores – Bernardo e Guiñazu, do Vasco, e Paulinho e Anderson Pico, do Flamengo. Com apenas nove jogadores para cada lado, e depois de 90 minutos com o campo pesado, o ritmo de jogo diminuiu sensivelmente.

 

 

 

O Vasco ainda insistiu no abafa final, no melhor estilo “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”, mas desperdiçou chances com Rodrigo, que errou cabeceio e Christiano, que chutou para fora.

 

 

O clássico entre Flamengo e Vasco – conhecido como Clássico dos Milhões, por conta da presença massiva de público – também registrou o melhor público do futebol brasileiro até o momento: foram 51.085 pagantes, com 56.020 presentes, para uma renda de R$ 2.543.220.

 

 

Na próxima quarta-feira (25), às 22, o Flamengo joga contra o Bangu, no Maracanã, em jogo válido pela 12ª rodada. No dia seguinte, fechando a jornada, o Vasco visita o Boavista, no estádio de Bacaxá, às 16h.

 

 

 
Flamengo 2 x 1 Vasco

 

 

Flamengo: Paulo Victor; Pará, Bressan, Wallace e Anderson Pico; Jonas (Cáceres), Márcio Araújo e Canteros; Gabriel (Everton), Marcelo Cirino e Alecsandro (Paulinho)

Técnico: Vanderlei Luxemburgo

 

 

Vasco: Martín Silva; Madson, Rodrigo, Anderson Salles e Christiano; Guiñazu, Serginho (Thalles), Júlio dos Santos e Jhon Cley (Yago); Dagoberto (Bernardo) e Gilberto

Técnico: Doriva
Gols

Alecsandro (Flamengo), aos 17 minutos do primeiro e aos 7 minutos do segundo tempo, e Gilberto, aos 28 minutos

Cartões amarelos

 

 

Flamengo
Marcelo Cirino, Canteros, Alecsandro, Cáceres, Wallace e Everton
Vasco

Serginho, Gilberto, Guiñazu, Christiano e Rodrigo
Cartões vermelhos

Flamengo
Paulinho e Anderson Pico

Vasco
Guiñazu e Bernardo