Lollapalooza 2015: Confira o que aconteceu no primeiro dia do Lollapalooza 2015

Lollapalooza 2015
Lollapalooza 2015

 

 

Com o Áutodromo de Interlagos lotado e shows inesquecíveis, o sábado de festival já marcou história.
O primeiro dia de Lollapalooza 2015 foi memorável. As 66 mil pessoas que estiveram em Interlagos foram contempladas por shows eletrizantes e várias atividades curiosas e divertidas. O sábado foi marcado pelas apresentações do ex-Led Zeppelin Robert Plant, no palco com a The Sensational Space Shifters; e Jack White, que se inspira no passado para escrever o futuro do rock n’ roll. A noite fechou no Palco Onix com Skrillex, maior nome do dubstep. Confira todos os detalhes deste sábado inesquecível.

 

 

PALCO SKOL

 

 

A banda Baleia abriu a programação com suas canções repletas de letras originais. Para seguir nesse mergulho, o trio da Banda do Mar, Marcelo Camelo, Mallu Magalhães e Fred, abriu o show com “Cidade Nova”. Depois, “Me sinto ótima” e “Velha e Louca” mostraram todo o amor do relacionamento da banda com o público. Em seguida, Joe Newman, do Alt_J, alterou seu status para “em relacionamento sério com a bandeira brasileira”.

 

 

 

O público ouviu o chamado de Robert Plant. Com a autoridade que lhe pertence, “Babe, I’m Gonna Leave You” ofereceu toda a empolgação possível para os expectadores. Do disco recente, cantou “Rainbow” e “Little Maggie”. “Black Dog”, “Going to California” e “Rock and Roll” para provar que as obras criadas nos anos 70 são atemporais. A linda voz do ex-Led ainda repetiu “galera” diversas vezes. Jack White foi recepcionado por balões azuis para brandar “Baby Blue”. Ao som de violinos, cadenciado pela bateria e ovacionado pelo público, também cantou “Hotel Yorba” e “Temporary Ground”. Ainda teve espaço para um cover do lendário Howlin’ Wolf.

 

 

Robert Plant
Robert Plant

 

 

PALCO ONIX

 

 

Para agitar quem chegou cedo, o rock brasileiro da Bula estreou no festival. Fitz And The Tantrums enlouqueceram o público com o hit “The Walker”. Michael Fitzpatrick e Noelle Scaggs duelaram com belos vocais e fizeram os fãs pularem. Ainda rolou uma versão de “Sweet Dreams” para deixar a Annie Lennox orgulhosa. Depois veio Kasabian com “Club Foot” no repertório e uma cover eletrizante de “Praise You”, do Fatboy Slim. Já o Skrillex fez um show absolutamente sensorial, hipnotizando o público que não parou de dançar um segundo sequer. E ainda foi pra galera tirar selfies com o público já completamente ensandecido.

 

skirlex

 

 

 

PALCO AXE

Os santistas da Zimbra mostraram suas credenciais enquanto a galera já tomava conta de todo autódromo. Já os goianos psicodélicos da Boogarins atacaram com “Lucifernandis”. Na sequência, Nem Liminha Ouviu chamou ninguém menos que Clemente para cantar “Surfista Calhorda”. St. Vincent mostrou que não toca guitarra, faz mágica; não se apresenta, brilha. Os fãs foram ao delírio com “Digital Witness”. Marcelo D2 não deixou por menos: fez um show agitado e com várias participações, fechando com os clássicos do Planet Hemp. Kongos atacou de “Blue Monday”. Encerrando a noite, o Bastille já chegou tocando o hit “Bad Blood” e conquistando de vez a galera. E terminou com a dobradinha “Of the Night” e “Pompeii”.

 

St. Vincent
St. Vincent

 

 

PALCO PERRY

 

 

A brasileira (e mundial) Anna mostrou seu talento de menina prodígio ao colocar a galera para dançar. Vintage Culture, do Lukas Ruiz, foi ao palco em seguida. Para animar em dobro, os jovens E-cologyk e Jakko dividiram o palco. E logo o fenômeno francês DJ Snake não diminuiu o ritmo. O mesmo fizeram Dillon Francis e Ritmo Machine. Para fechar, Major Lazer disse que agora sabe o que é açaí na tigela. Mas sua especialidade mesmo é fazer os fãs enlouquecerem.

 

Major-Lazer_CarolMendonca

 

 
Da Redação com informação da Lollapalooza