A evolução do Piano: Conheça a História do Piano inventado por Bartolomeu Cristofori até os dias modernos.

Piano - imagem www.aulacreativademusica.com
Piano – imagem www.aulacreativademusica.com

 

 

O Piano é um instrumento musical de cordas percutidas, munido de um teclado e de uma grande caixa de ressonância. O som é produzido pela pressão das teclas que acionam martelos de madeira revestidos de feltro que, por sua vez, fazem percurtir as cordas. É dotado de dois pedais: o direito, quando pressionado, permite que as cordas permaneçam vibrando, mesmo que as teclas deixem de ser tocadas; o esquerdo, também chamado surdina, serve para diminuir o brilho da sonoridade. O primeiro piano foi fabricado pelo italiano Bartolomeu Cristofori.

 

A Invenção do Piano
Bartolomeu Cristofori, construtor de cravos de Florença, por volta de 1700 já havia concluído a fabricação de pelo menos um destes instrumentos que chamou de “Gravicembalo col Piano e Forte”, isto é , cravo com sons suaves e fortes. Enquanto as cordas do cravo são tangidas por bicos de penas, o piano tem suas cordas percurtidas por martelos (revestidos de couro nos primeiros modelos), cuja dinâmica pode ser variada de acordo com a pressão dos dedos do executante. Isso daria ao piano grande poder de expressão e abriria uma série de possibilidades novas.

 

O primeiro piano nasceu graças ao fabricante de cravo, Bartolomeo Cristofori. O seu primeiro piano, fortepiano, um instrumento de teclado, possuía um mecanismo para controlar a dinâmica, o que não era possível no cravo, mas usou os mesmos dispositivos soundboard, ponte e do teclado e foi o resultado de anos de trabalho.
O primeiro piano nasceu graças ao fabricante de cravo, Bartolomeo Cristofori. O seu primeiro piano, fortepiano, um instrumento de teclado, possuía um mecanismo para controlar a dinâmica, o que não era possível no cravo, mas usou os mesmos dispositivos soundboard, ponte e do teclado e foi o resultado de anos de trabalho. – www.heykiki.com

O piano foi inventado por Bartolomeo Cristofori em Florença, Itália. A data da construção do seu primeiro piano não está bem definida, mas segundo uma pesquisa feita pelos empregados da Cristofori’s, a família Medici, um dos primeiros pianos foi feito por volta do ano 1700. Cristofori construiu apenas cerca de vinte pianos antes de falecer em 1731; os três que ainda sobrevivem datam de 1720s.

Bartolomeo Cristofori
Bartolomeo Cristofori

 

 

Assim como outras invenções, o piano foi baseado em invenções anteriores. Em particular, beneficiou de séculos de trabalho no cembalo, que mostrou a melhor maneira de construir o corpo, a placa sonora, a ponte e o teclado. Crosofori foi ele mesmo um construtor de cembalos e tinhas bons conhecimentos nesta área.

 

 

O grande sucesso de Crosofori, foi conseguir resolver, sem nenhum precedente conhecido, o problema mecânico fundamental do design do piano: os martelos devem bater nas cordas mas não devem continuar a tocá-las um vez que bateram (o que abafaria o som). Porém, os martelos devem voltar para a posição inicial sem ressaltar violentamente, e deverá ser possível repetir uma nota rapidamente. As ações de Crosofori serviram de modelo a várias diferentes abordagens daí em diante.

 

 

 

Os primeiros instrumentos de Crosofori eram feitos com cordas finas e era muito mais silenciosos que o piano moderno. No entanto, em comparação com o clavicordio (o único instrumento de teclas anterior capaz de nuances dinâmicas) o som era consideravelmente mais alto, com um grande sustain.

 

 

O novo instrumento de Crosofori manteve-se relativamente desconhecido até que um escritor Italiano, Scipione Maffei, escreveu um artigo entusiástico sobre ele (1711), incluindo o diagrama do mecanismo. Este artigo foi amplamente distribuído, e a maioria das seguintes gerações de construtores de pianos começaram o seu trabalho devido a o terem lido.

 

 

 

Apesar do piano ter sido inventado por um italiano, foram os alemães que, com afinco, levaram a idéia adiante. Dentre estes construtores podemos citar: Silbermann, Zumpe, J. Stein. Os ingleses passaram também a construir pianos, de mecanismo mais pesado e som mais cheio e rico, considerado pai daquele usado atualmente. As melhorias dos pianos ingleses foram devidas ao famoso fabricante John Brodwood. Bradwood foi responsável por grandes transformações no instrumento: em 1783 patenteia os dois pedais, o pedal surdina e o pedal direito. Em 1790, fabrica o primeiro piano com 5 oitavas e meia e, em 1794, cria o de 6 oitavas.

 

John Broadwood & Sons é um dos mais antigos e um dos mais prestigiados fabricantes de piano na história. Seus pianos foram tocados por Mozart, Haydn, Chopin, Beethoven e Liszt. Eles também possuem a autorização real da a Rainha Elizabeth II como fabricante de pianos. Esta empresa foi fundada por Burket Shudi no ano de 1728. Ele veio para Londres a partir da Suíça, onde sua família era artesões em madeira e trabalhou como aprendiz na oficina cravo Soho. Dez anos mais tarde começou sua própria oficina.
John Broadwood & Sons é um dos mais antigos e um dos mais prestigiados fabricantes de piano na história. Seus pianos foram tocados por Mozart, Haydn, Chopin, Beethoven e Liszt. Eles também possuem a autorização real da a Rainha Elizabeth II como fabricante de pianos. Esta empresa foi fundada por Burket Shudi no ano de 1728. Ele veio para Londres a partir da Suíça, onde sua família era artesões em madeira e trabalhou como aprendiz na oficina cravo Soho. Dez anos mais tarde começou sua própria oficina. – www.heykiki.com

 

Grande revolução na sensibilidade do toque veio com Erard, que, em 1821, inventou o duplo escapo. Consistia este em deixar o martelo, depois de ferir a nota, a uma pequena distância da corda e mantê-lo sob total controle da tecla, enquanto ela permanecesse abaixada. O toque de notas repetidas tornou-se, então, possível, pois o duplo escapo permite que se toque repetidamente a mesma tecla.

 

Silbermann fabricou  algiuns pianos quadrados em 1725, mas não foi recebido com grande sucesso. Seu aluno Christian Ernst Friederici continuou sua pesquisa e fez pequenos pianos quadrados, e que se tornaram um grande sucesso e ele continuou a fazer pianos de pirâmide.
Silbermann fabricou algiuns pianos quadrados em 1725, mas não foi recebido com grande sucesso. Seu aluno Christian Ernst Friederici continuou sua pesquisa e fez pequenos pianos quadrados, e que se tornaram um grande sucesso e ele continuou a fazer pianos de pirâmide. – www.heykiki.com

 

No século XIX o piano passou por diversos melhoramentos. O número de notas foi aumentado, as cordas ficaram mais longas e grossas e os martelos, antes cobertos por couro, passaram a ser revestidos de feltro, melhorando a sonoridade. Os compositores românticos passaram a explorar todos os recursos do piano. Quase todos os compositores românticos escreveram para o piano, mas os mais importantes foram: Schubert, Mendelssohn, Chopin, Schumann, Liszt e Brahms.

 

 

Johann Andreas Stein foi um ex-aprendiz de Silbermann construído um piano com cordas mais finas no ano de 1772. Este tipo foi preferido por Mozart.
Johann Andreas Stein foi um ex-aprendiz de Silbermann construído um piano com cordas mais finas no ano de 1772. Este tipo foi preferido por Mozart. – www.heykiki.com

 

 

As mudança sociais ocorridas no fim do século XVIII para os primeiros anos do século XIX, com o aparecimento da classe média (surgida da expansão do capitalismo), determinou um novo conceito no tamanho das residências, agora menores, em comparação com as casas da nobreza. Esta situação favoreceu à criação do piano vertical, por volta de 1800, cuja principal vantagem era ocupar menos espaço e ser um instrumento mais barato que os pianos horizontais fabricados até então. Logo tornou-se popular e foi um móvel comum na maioria das salas de visitas das casas do século XIX.

 

 

 

Por volta de 1880, as principais etapas na evolução do piano já haviam sido vencidas. Os fabricantes, agora, incorporavam naturalmente em seus instrumentos as idéias e as melhorias introduzidas durante a primeira metade do século XIX e o período que se seguiu foi apenas de aprimoramento e aperfeiçoamento de determinados detalhes.

 

 

O desenvolvimento do piano moderno

 

 

Durante um grande período de 1790 a 1890, a era do piano-Mozart sofreu grandes alterações que conduziram À forma moderna do instrumento. Esta evolução deveu-se à consistente preferência dos compositores e pianistas por mais um som de piano mais poderoso e com mais sustain. Foi também uma resposta à revolução industrial, que tornou os recursos mais acessíveis, como aço de alta qualidade para as cordas.

 

 

 

Ao longo do tempo, tocar piano tornou-se uma atividade mais extenuante e exigia mais dos músculos, à medida que a força necessária para premir as teclas, assim como a distancia delas, aumentava. A área tonal do piano foi também aumentada,desde as cinco oitavas da altura de Mozart para 7 (ou mais) oitavas encontradas nos pianos modernos.

 

 

 

Na primeira parte desta era, o progresso tecnológico deveu-se muito à firma Inglesa de Broadwood, que já tinha uma forte reputação pelo esplendor e poder tonal dos seus clavicórdios. Ao longo do tempo, os instrumentos de Broadwood tornaram-se progressivamente maiores, mais poderosos e mais robustos. A firma de Broadwood que enviou pianos para ambos, Haydn e Beethoven, foi a primeira firma a construir pianos com mais de cinco oitavas.

 

 

Por volta de 1820, o centro da inovação mudou para a firma Érard de Paris, que construiu pianos usados por Chopin e Liszt. Em 1821. Sébastien Érard inventou a ação de duplo escapamento, que permitia que uma nota fosse repetida mesmo que a tecla não voltasse à sua posição inicial completamente.

 

 

O piano moderno

 

 

Tipos de piano:

 

 

Os pianos modernos vêm com duas configurações básicas e vários tamanhos, o piano de cauda e o piano vertical.

 

 

Os pianos de cauda têm a sua armação e cordas na horizontal, com as cordas estendidas para lá do teclado. Isto evita os problemas inerentes num piano vertical, mas ocupa muito espaço e precisa de uma divisão grande. Existem vários tamanhos. Os modelos variam, mas de uma forma geral podemos distinguir o “concert grand piano” com aproximadamente 3metros; o “grand piano” com aprox. 1.8metros; e o mais pequeno “baby grand piano”, um pouco mais pequeno.

 

 

Pianos verticais, são mais compactos devido à armação e às cordas serem dispostas verticalmente, estendendo-se em ambas as direções do teclado e dos martelos. É consideravelmente mais difícil produzir um som mais sensível, porque os martelos movem-se de lado, em vez de para cima contra a gravidade; no entanto, os melhores pianos verticais agora aproximam-se do nível dos grand pianos.

 

 

Teclado

 

 

Quase todos os pianos modernos têm 88 teclas(sete oitavas e mais um pouco A0 a C8). Muitos pianos mais antigos têm 85(de A0 a A7), enquanto alguns fabricantes estendem a área em ambas as direções.

 

 

Pedais

 

 

Os pianos têm pedais, desde o inicio dos tempos. Os três pedais tornaram-se mais ou menos padrão nos pianos modernos atuais.

 

 

 

O pedal de sustain, é chamado simplesmente de “pedal”, já que é o usado mais frequentemente. É o pedal mais à direita. Todas as notas do piano, exceto as últimas oitavas, estão equipadas com um amortecedor, que é um instrumento almofadado que previne a vibração das cordas. O amortecedor é levantado para fora das cordas sempre que uma tecla é tocada. Quando o pedal está a ser premido, todos os amortecedores do piano são levantados de uma vez, então todas as cordas podem vibrar.

 

 

O pedal de uma corda é o que está mais à esquerda. Num grande piano este pedal muda a ação ligeiramente para o lado esquerdo, assim ao invés das cordas baterem nas três cordas de uma nota, batem só em uma.

 

 

O pedal sostenuto, ou pedal central mantém na posição original qualquer amortecedor que esteja na posição original no momento em que o pedal foi premido. Assim é possível fazer sustain só em algumas notas.

 
Da Redação com informações do site www.academiamusical.com.pt, www.heykiki.com,  www.renatacortezsica.com.br, ROY BENNETT – Uma Breve História da Música, ROY BENNETT – Instrumentos de Teclado, MAURO JACKSON – Site “Afinação de Piano”